LINHAS PEDAGÓGICAS

De olho nos diferentes modelos de ensino

Comparada por educadores a uma ‘pequena constituição’, proposta pedagógica da instituição vai guiar a formação acadêmica do seu filho

Por Isabela Giordan

O conselho vem dos pedagogos: na dúvida entre o peso dos vários fatores que influenciam a seleção de uma nova escola, guie-se sempre pela metodologia de ensino da instituição. A linha pedagógica é o fio condutor de todas as atividades realizadas dentro do ambiente escolar, orientando até mesmo como o aluno deve agir além dos muros da escola. “Isso influencia amplamente a formação da criança, tanto em termos educacionais como sociais e até emocionais”, explica Cabé Diniz, coordenador pedagógico e psicólogo educacional.

Entre a maioria dos pesquisadores da área, há o entendimento de que é fundamental que a proposta pedagógica esteja de acordo com os valores dos responsáveis pela criança, a fim de evitar futuros conflitos. Para Andréa Patapoff, doutora em Psicologia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e uma das redatoras da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) da Educação Infantil, a definição de que linha seguir deve partir da seguinte pergunta: “Que tipo de sujeito você deseja formar para a sociedade?” Com essa resposta, é possível listar quais são as prioridades e buscar escolas que utilizam as teorias alinhadas a esses valores. “Qualquer linha pedagógica atribui um objetivo para a formação humana a partir das orientações que irão promover ou dificultar certas atitudes. Nenhum currículo é neutro, ele reflete os propósitos de um sistema educacional”, reforça Patapoff.

“Qualquer linha pedagógica atribui um objetivo para a formação humana a partir das orientações que irão promover ou dificultar certas atitudes.”
– Andréa Patapoff, doutora em Psicologia da Educação pela Unicamp

Atualmente, a educação básica brasileira possui duas grandes correntes, que são formadas pelas escolas tradicionais e pelas escolas contemporâneas, também conhecidas como construtivistas. A primeira corrente possui um formato mais fechado e se baseia no modelo de que o aluno se adapte às necessidades do sistema. “As estratégias pedagógicas são determinadas previamente, o papel do professor é executar o que está nos livros, apostilas e materiais didáticos previamente determinados pelos autores do programa”, explica Andréa. 

Já a segunda corrente, das construtivistas, é guiada pela resolução de problemas, tornando a criança ou o adolescente um sujeito ativo no processo. “Essa corrente não está preocupada apenas com a instrução, mas também com a formação ética, pensando no aluno como um cidadão do mundo. É uma perspectiva com o aluno mais ao centro do processo, de forma ativa”, afirma Viviane Potenza, pedagoga e doutora em Psicologia e Educação pela Universidade de São Paulo (USP). “Essa linha é pautada nas teorias da aprendizagem e também nas metodologias que permitem potencializar o aprendizado diante dos diversos jeitos de aprender”, conta Luís Gustavo Megiolaro, diretor adjunto de Unidades Escolares do Poliedro, instituição de ensino que segue o construtivismo.

No Brasil, a linha pedagógica mais utilizada pelas escolas é a tradicional, também conhecida como conteudista, em que o professor é o agente principal da construção de conhecimento. Porém, há outras teorias que estão crescendo e se tornando uma opção para os pais.

Veja a seguir quais são as principais características das metodologias mais disseminadas no País:

 

TRADICIONAL

Conhecida por ser a linha mais difundida no Brasil, essa linha pedagógica foi desenvolvida com o objetivo de universalizar o conhecimento. Por isso, sua metodologia preza que o conteúdo seja transmitido do professor para o aluno, desenvolvendo uma relação de superioridade, em que o professor é o detentor do conhecimento e um modelo a ser seguido. “Na metodologia tradicional, numa mesma sala de aula são reunidos alunos com idades próximas, dispostos em carteiras direcionadas para a lousa, realizando simultaneamente as mesmas atividades ou prestando atenção no que o professor explica”, descreve a pedagoga e doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) Vivian Batista da Silva.

Além disso, o conhecimento apresentado em sala de aula é encarado como uma verdade absoluta, com pouco espaço para discussões. Essa linha busca formar sujeitos que sejam exímios receptores de informações, ou seja, o objetivo é que o saber seja decorado. “A formação do aluno da metodologia tradicional é voltada ao trabalho e à preparação para os vestibulares, com realização regular de provas e uma grade curricular sistematizada”, explica o coordenador pedagógico Cabé Diniz.

Para que isso ocorra, as disciplinas são padronizadas, sem levar muito em conta as diferentes experiências e realidades sociais de cada aluno.

Método de avaliação: para avaliar seus alunos, a linha pedagógica tradicional visa analisar quanto de conteúdo foi memorizado durante o período escolar. Quando reprovado, o estudante precisa refazer a disciplina ou até mesmo a série.

 

CONSTRUTIVISTA

Ao contrário da escola tradicional, a linha construtivista coloca o aluno como um sujeito ativo na construção da sua educação, buscando desenvolver a autonomia das crianças desde os primeiros anos de formação. Aqui, o aprender na prática é um foco importante. Para isso, o estudante é convidado a experimentar situações atípicas e fugir da relação de superioridade professor-aluno tão comum nas salas de aula. Essa metodologia prevê que as dúvidas e perguntas sejam uma alavanca para a construção do aprendizado.

Apesar de considerar ter uma linha pedagógica mista, a Escola Móbile desenvolve o aprendizado por meio das situações-problema, muito comum nessa teoria. “O aluno é o centro do aprendizado e o professor, um mediador qualificado na relação”, explica Wilton Ormundo, diretor-geral da instituição.

Essa metodologia prevê ainda que a experiência escolar ultrapasse as aulas expositivas e, em sua maioria, sejam interdisciplinares, a fim de formar sujeitos mais críticos. Wilton conta que um dos projetos desenvolvidos a partir dessa premissa é o Móbile na Metrópole, realizado por alunos do 2º ano do ensino médio. Nele, durante três dias, os alunos realizam uma imersão na cidade de São Paulo e chegam a uma situação-problema que será explorada durante o decorrer de um ano em um projeto interdisciplinar.

Método de avaliação: a avaliação é realizada de forma contínua, visando acompanhar o desenvolvimento do aluno a partir das atividades propostas em sala de aula, porém há escolas construtivistas que também aplicam testes avaliativos.

 

MONTESSORI

Com turmas de até 20 crianças e com alunos de diferentes idades, a linha montessoriana baseia-se na expectativa de aprender por meio da experiência e da observação. Na sala de aula, os objetos ficam à altura do alcance das crianças e dispostos de forma que as atividades realizadas sejam escolhidas pelos próprios alunos. “O estudante parte do conhecimento que já tem e explora seu ambiente, cada um no seu ritmo e sendo agente de seu desenvolvimento sob orientação de professores ou professoras”, ressalta o coordenador pedagógico e psicólogo educacional Cabé Diniz.

O papel do professor é apresentar as opções disponíveis e afastar os possíveis obstáculos, guiando o aluno ao desenvolvimento. Porém, apesar da liberdade de escolha das atividades desenvolvidas no dia a dia, o aluno precisa cumprir módulos obrigatórios para avançar na aprendizagem, sempre respeitando o seu ritmo de evolução.

Para ser montessoriana, a linha pedagógica deve apoiar-se em seis pilares: autoeducação, educação como ciência, educação cósmica (apresentação do conhecimento de forma organizada), ambiente preparado, criança equilibrada e adulto preparado.

Celebridades como Beyoncé, Jeff Bezos, George Clooney e o escritor Gabriel García Márquez são fruto de escolas com a metodologia montessoriana. Segundo dados da Associação Montessori Internacional (AMI), atualmente existem cerca de 25 mil escolas dessa linha pedagógica ao redor do mundo.

Método de avaliação: as escolas Montessori podem escolher aplicar ou não exames de avaliação. Caso os testes sejam deixados de lado, a avaliação costuma ser realizada com base nas anotações do professor.

 

WALDORF

Baseada na Antroposofia, a chamada “ciência espiritual”, a linha Waldorf busca desenvolver o aluno considerando aspectos físicos, emocionais e espirituais. Ela considera que o desenvolvimento do aluno é dividido em ciclos de sete anos (0 aos 7, dos 7 aos 14 e dos 14 aos 21 anos), também chamados de setênios. Em cada ciclo, a criança deve ser acompanhada por um único tutor, que será a referência para o seu desenvolvimento, respeitando as prioridades de cada etapa.

Apesar de seguir a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), o material didático é produzido pelos próprios alunos, com uma apostila específica para cada disciplina. Além disso, a criança possui desde pequena o contato próximo com as artes, os trabalhos manuais e corporais. Atividades relacionadas a música, dança, teatro, pintura, argila, marcenaria e madeira fazem parte da rotina dos estudantes. “A nossa mais elevada tarefa é formar seres humanos livres capazes de dar sentido e direção em suas vidas”, definiu o fundador da teoria, Rudolf Steiner, há mais de 100 anos.

A primeira instituição no Brasil foi a Escola Waldorf Rudolf Steiner, inaugurada em 1966, em São Paulo (SP). Atualmente, existem mais de 250 escolas que seguem a metodologia no País, segundo dados da Federação das Escolas Waldorf no Brasil (FEWB).

Método de avaliação: a avaliação é feita por meio das anotações do professor fixo responsável pelo aluno naquele setênio.

 

ESCOLA DEMOCRÁTICA

A teoria democrática foi uma das primeiras a contradizer os preceitos defendidos pelas escolas tradicionais, prezando pela liberdade do estudante para escolher como estudar. Nela, a maioria dos sistemas foi abolida como, por exemplo, a estrutura da sala de aula, os exames de avaliação, as lições de casa e até mesmo o cumprimento de uma carga horária predefinida. A gestão do tempo é realizada integralmente pelo aluno.

Essa teoria argumenta que a criança é a figura central do processo de aprendizado e que é preciso que ela decida qual é o melhor método para aprender os conteúdos necessários para a sua formação. Aqui, o papel do professor é ser um facilitador. Além disso, a comunidade interna e externa tem voz nas decisões. Em assembleias periódicas, direção, professores, funcionários, pais e alunos opinam e votam sobre quais são as melhores decisões a ser tomadas. Há três princípios que regem a linha democrática: a autogestão, o prazer do conhecimento e a não hierarquia do conhecimento. 

Uma das escolas democráticas mais antigas do mundo foi fundada em 1921, na Inglaterra, e ainda está em funcionamento. É a Summerhill, considerada pioneira nesse tipo de ensino e que influencia até hoje os estudos sobre a área. Outra referência mundial para os defensores dessa linha pedagógica é a Escola da Ponte, em Portugal. A coordenação dela está a cargo de José Pacheco, considerado um dos maiores educadores da atualidade.

Método de avaliação: nessa metodologia, as provas e tarefas são deixadas de lado. A avaliação do desenvolvimento da criança é feita por meio da participação ativa nas atividades, além da produção de trabalhos escritos e artísticos.

 

Como encontrar a linha pedagógica de cada escola?

Apesar de não existir nenhum ponto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) que obrigue as escolas a desenvolver um documento específico com detalhes sobre a linha pedagógica escolhida, a maior parte das instituições oferece essas informações. Isso pode ser feito por meio de um material exclusivo disponibilizado pela coordenação pedagógica ou em reuniões específicas para discutir o tema. “Existe um conjunto de reuniões, que ocorrem a partir de agosto, para as pessoas que têm interesse em ingressar no próximo ano letivo, e os diretores apresentam os diferenciais da escola. Se alguma família ficar com dúvidas, é possível marcar uma conversa particular com o coordenador”, explica Wilton Ormundo, da Escola Móbile.

No Colégio Marista, há ainda um documento específico com todas as informações sobre o projeto político-pedagógico da instituição, o Projeto Educativo do Brasil Marista. “Mais detalhes do dia a dia de um estudante marista podem ser obtidos com a coordenação pedagógica, que está sempre à disposição das famílias”, frisa o diretor-geral do colégio, Carlos Dorlass.

Buscar mais informações sobre a linha pedagógica de uma nova escola ajuda no alinhamento entre os valores da família e os da instituição, passo importante para uma boa relação futura. “O bom vínculo entre alunos, docentes e até pais é um aspecto que qualquer escola deve valorizar. É preciso estar atento ao bem-estar de todos para que haja um clima amistoso e tranquilo”, reforça a pedagoga Andréa Patapoff.

Outra dica importante é certificar-se de que a linha pedagógica vai além do discurso e seja praticada pela escola. “Muitas vezes o discurso pedagógico está distante das práticas educacionais. Por isso, a família deve estar atenta se as práticas que a escola propõe são, de fato, efetivas”, indica Viviane Potenza, doutora em Psicologia e Educação.

 

A evolução das teorias

 . Século 18 – O filósofo alemão Johann Friedrich Herbart (1776-1841) foi um dos pioneiros na área pedagógica e o primeiro a formular o termo como uma ciência. Ele considerava a criança um sujeito a ser moldado por forças externas. Com isso nasceu o foco à instrução, base até hoje das escolas tradicionais

. 1909 – A médica italiana Maria Montessori (1870-1952) publicou em 1909 o livro que descreveria as bases da linha pedagógica montessoriana. Ela acreditava que as crianças tinham o poder de ser a fonte do próprio conhecimento desde que fossem dadas as condições certas. O intuito era permitir que as crianças tivessem direito à autoeducação

. 1919 – A Antroposofia, que rege a Linha Waldorf, surgiu após uma palestra do filósofo austríaco Rudolf Steiner (1861-1925) em uma fábrica alemã destruída na Primeira Guerra. Ele defendeu que, além de moradia e alimentação, a sociedade precisaria de sensibilidade para se reerguer, e queria formar alunos em sua integralidade (corpo, alma e espírito)

. 1921 – O jornalista e educador inglês Alexander Sutherland Neill (1883-1973) também foi um dos primeiros a se declarar contra a linha de Johann Herbart. Em 1921 ele fundou a Escola Summerhill, que guiou o desenvolvimento da linha democrática. “Gostaria de ver a escola produzir um varredor de ruas feliz do que um erudito neurótico”, afirmou na época

. Década de 1960 – A metodologia construtivista ganhou destaque com os estudos do cientista e biólogo suíço Jean Piaget (1896-1980). Ele descobriu que a transmissão de informações durante a infância é limitada pelas capacidades cognitivas, não sendo possível uma criança absorver conhecimentos que ela ainda não consegue compreender

Leia também

Nossa política de cookies

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do usuário e analisar o tráfego do site. Por esses motivos, podemos compartilhar os dados de uso do seu site com nossos parceiros de análise. Ao clicar em "Aceitar cookies", você concorda em armazenar em seu dispositivo todas as tecnologias descritas em nossa Política de cookies. Você pode alterar suas configurações de cookies a qualquer momento clicando em “Preferências de Cookies”.