Impacto de peso

Metodologia enfoca o desempenho financeiro das grandes empresas e a importância delas em seus principais setores de atuação

A avaliação de mais de 2.400 empresas que atuam no Brasil divididas em 24 setores da economia forma a base do ranking Estadão Empresas Mais apresentado nesta publicação. A metodologia envolve um trabalho exaustivo de coleta de dados financeiros das companhias, publicados principalmente por elas próprias nos balanços anuais.

Os dados obtidos pela agência Austin Rating são sistematizados por uma equipe da Fundação Instituto de Administração (FIA), com base em uma metodologia desenvolvida por um grupo de especialistas, sob coordenação do professor Sérgio Assis. O conjunto de dados (como receita, ativos e Ebitda) reúne informações desde 2014, o que permite uma comparação robusta das diferenças encontradas de ano para ano em cada um dos segmentos econômicos analisados. Empresas que não tinham todos os dados necessários para o estudo nestes últimos cinco anos foram eliminadas do levantamento.

O anuário das empresas com melhor desempenho é elaborado a partir do Coeficiente de Impacto Estadão (CIE), que mede, de forma ponderada, o porte e o desempenho de cada uma delas. A amostra, obtida em um universo amplo e significativo de empresas, fornece uma visão abrangente do desempenho dos setores diante da crise econômica pela qual atravessa o País há vários anos. Além dos critérios financeiros, o Empresas Mais também avalia atuação de cada empresa na área de Governança Corporativa e Inovação, uma análise feita pela FIA, a Fundação Instituto de Administração.

Dessa forma, as empresas que se destacam no ranking são as maiores e de melhor desempenho financeiro em 2018 nos seus setores de atividade. Quando se mede o porte dos grandes grupos que atuam no território nacional, é levada em conta a dimensão da companhia no seu respectivo setor. O desempenho dos grupos também revela o comportamento financeiro da empresa em seus segmentos específicos de atuação.

A categorização das instituições nos 24 setores apresentados nesta publicação foi feita com base na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (Cnae) do IBGE. Alguns agrupamentos foram realizados com o intuito de evitar a excessiva fragmentação do número de empresas entre os setores, o que reduziria a qualidade estatística dos resultados setoriais.

Esse critério reúne grupos que atuam dentro de perfis de tributação semelhantes. A filtragem feita nos dados procurou agrupar cada uma das empresas de forma coerente. As empresas com faturamento inferior a R$ 100 milhões e aquelas com informações incompletas para o período foram retiradas do banco de dados. Também foram desconsideradas companhias com receitas e ativos negativos ou aquelas que registraram Ebitda negativo.

Os resultados apresentados nesta publicação, além dos 24 setores econômicos, também identificam as melhores empresas e grandes grupos, além de mapear os destaques regionais nas Regiões Sul, Centro-Oeste, Nordeste e Norte do País.

Há ainda os blocos que tratam especificamente das melhores práticas de inovação empresarial e de governança corporativa desenvolvida pelas grandes empresas que atuam no Brasil.

 

Quadrante de alto impacto

O gráfico abaixo ilustra a distribuição das cerca de 100 empresas mais impactantes analisadas em termos de porte e desempenho. A maior área destacada no canto superior direito do gráfico seleciona as corporações com coeficiente de impacto maior ou igual a 80.

Entre as empresas com o coeficiente de impacto igual ou superior a 80, estão as do Coeficiente de Impacto Estadão. Esse grupo aparece na área menor destacada no canto superior direito do gráfico acima.

Base de dados

Foram utilizadas duas fontes de dados de empresas abertas e fechadas que atuam no mercado brasileiro, divididas em 24 segmentos econômicos: