Cinemas fechados, peças de teatro e lançamentos culturais adiados. Esse tem sido o atual cenário do setor cultural desde a pandemia causada pelo novo coronavírus. O impacto provocado após os fechamentos dos estabelecimentos por conta do isolamento social, aumentou as assinaturas nas plataformas de streaming, que invadiram de vez as casas dos brasileiros.

Foto de Amateur Hub no Pexels

E nesse embate à escassez de entretenimento, muitas plataformas digitais passaram a oferecer conteúdo gratuito.

A Spcine Play, plataforma de streaming da empresa de cinema de audiovisual da Prefeitura de São Paulo, por exemplo, prolongou a gratuidade do seu catálogo até o final de 2020. De acordo com a cineasta e presidente da Spcine, Laís Bodanzky, a companhia registrou um aumento de 155% de visualizações a mais que todo o período acumulado da plataforma, criada em outubro de 2018.

“São aproximadamente 230 títulos, entre filmes, séries, shows, talks e conteúdos exclusivos que podem ser acessados em qualquer lugar. O catálogo traz obras de grandes cineastas brasileiras, como Tata Amaral, Lúcia Murat, Suzana Amaral e Helena Ignez. Por lá, ainda dá para encontrar as principais produções de Hector Babenco, Zé do Caixão, Andrea Tonacci e Leon Hirszman e muitos outros nomes que marcaram a história do nosso cinema. A Spcine Play conta ainda com filmes das principais mostras e festivais de cinema de São Paulo, como o É tudo Verdade, o In-Edit e ComKids. O conteúdo fica acessível simultaneamente aos eventos e segue disponível na plataforma”, explicou Daniela.

LEIA TAMBÉM
Coronavírus transforma segmento de produtos de limpeza
Empresas precisam evitar o oportunismo na crise

Ações que vão além do entretenimento

Por sua vez, a Netflix arregaçou as mangas e destinou US$ 150 milhões em apoio à indústria durante a crise. “Quando se trata de produção, quase todas as filmagens foram interrompidas globalmente, com exceção de alguns países como Coreia e Islândia. Isso tem sido devastador para milhões de trabalhadores na TV e na indústria do cinema, como: eletricistas, cabeleireiros, maquiadores, carpinteiros e motoristas que costumam receber salários por hora ou por projeto”, informou a empresa por nota.

Do montante da doação global da Netflix, R$ 5 milhões foram destinados ao Brasil. A plataforma de streaming e o Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros (ICAB) criaram um fundo emergencial de alívio aos profissionais brasileiros da indústria de produção cinematográfica e televisão. Ao todo, serão 5 mil beneficiados, que receberão um depósito único no valor de 1.045 reais (salário mínimo).

Ainda de acordo com a empresa, o valor é um complemento ao pagamento de cachês que foram feitos às equipes e atores das produções originais da plataforma realizada no país.

continuar lendo