A pandemia causada pelo coronavírus atingiu positivamente o segmento de produtos de limpeza. Segundo levantamento realizado pela Nielsen, os brasileiros responderam de forma rápida após a confirmação da primeira morte por conta da covid-19. Por isso, buscaram produtos relacionados à prevenção da doença, com destaque para álcool em gel (+623%), filtros de ar (+100%), álcool (+85%), produtos de limpeza em geral (+58%) e sabão líquido (+33%).

Foto de cottonbro no Pexels

Ainda de acordo com a empresa, as vendas on-line de álcool em gel cresceram quatro vezes no comparativo entre janeiro e fevereiro deste ano no e-commerce brasileiro. Já o faturamento, que apresentava crescimento, dobrou, alcançando o primeiro pico de maior venda diária, chegando a R$ 800 mil em um único dia.

E o setor não parou de expandir. Para se ter uma ideia, as vendas on-line de álcool de limpeza cresceram duas vezes mais no comparativo entre dezembro e fevereiro no e-commerce nacional. O faturamento total já ultrapassa R$ 1 milhão.

LEIA TAMBÉM
Empresas precisam evitar o oportunismo na crise
Pagamento por aproximação é ferramenta contra o coronavírus
Pets: setor acredita em crescimento apesar do coronavírus

Mudança dos consumidores

Para a chefe de estratégia da GS&MD, Beth Furtado, os dados das vendas mostram a alteração do padrão de comportamento dos consumidores, como os novos compradores conhecidos como webshoppers. “Registramos uma série de mudanças nesse primeiro ciclo de quarentena e alguns comportamentos chamam a atenção. Tivemos um incremento de novos compradores conhecidos como maduros, que são pessoas com mais de 60 anos. Agora, as empresas precisam focar no atendimento on-line para fidelizar esses compradores”.

Diante de cenário novo e sem precedentes, a fabricante Ypê também constatou a mudança. “O comportamento do consumidor e do shopper têm variado em termos de categoria e localidades, são reações diferentes. Portanto, ainda é cedo e impossível afirmar que existe uma real mudança de hábito, mas talvez apenas uma reação imediata a esse fenômeno”, explica a vice-presidente Comercial e Marketing da Ypê, Gabriela Pontin.

Por isso, ela acredita que é fundamental a análise detalhada de cada região, canal e categoria. “Mudanças de hábito de compra podem levar anos para se concretizarem. Essa crise poderá antecipar essas mudanças e até reascender produtos que perderam espaço nos lares. Trata-se de um período de aprendizado”, explica

Com a pandemia, a reinvenção

Mesmo sem estar preparado para a covid-19, a Ypê conseguiu se adaptar ao novo cenário, que exigiu aumento na produção de produtos como: água sanitária, desinfetante, sabão e sabonete. “Uma das ações que contribuíram são os estoques de segurança adequados para garantir o abastecimento de mercado, mesmo com variações inesperadas na demanda. Tivemos agilidade em remanejamentos na produção”, explica Gabriela.

A fabricante também encarou a crise como um momento de se reinventar. Exemplo disso foi a criação de um novo produto em 72 horas: álcool gel feito exclusivamente para doação.

“Avaliamos e estudamos como adaptar nossa linha de produção para passar a produzir álcool gel e líquido, itens até então inexistentes no portfólio da Ypê, e doá-los na sua totalidade a entidades de saúde e de segurança pública, comunidades carentes e caminhoneiros”.

continuar lendo