Vencedores São Paulo

  • 01PUC
  • 02Mackenzie
  • 03FGV

Três de cada quatro estudantes universitários estão matriculados em instituições privadas no Brasil. São 6 milhões de pessoas em mais de 2 mil escolas, ou o equivalente a 88% do mercado de ensino superior. Ainda que em 2016 tenha havido diminuição no número de matrículas, um dos efeitos da crise econômica, com exceção de 2012, nunca houve tantas universidades particulares em atividade como nos últimos dez anos. E a tendência é de crescimento.

Em um cenário tão competitivo, fortalecer e destacar a marca é um desafio constante. A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), que lidera o ranking Marcas Mais pela terceira vez consecutiva, defende que tradição e qualidade são palavras-chave para manter a relevância. “Reforçar características é nossa estratégia para atrair novos estudantes: quem estuda na PUC-SP procura tradição, consistência e qualidade”, diz a professora Alexandra Fogli Serpa Geraldini, pró-reitora de graduação da PUC-SP. Mas Alexandra acredita que é preciso ir além e aliar a tradição às questões contemporâneas. “Buscamos oferecer um ambiente rico, multidisciplinar, que valorize a diversidade em todas as dimensões e forme cidadãos. Isso é parte fundamental da nossa qualidade, e são esses os valores que engajam a PUC na comunidade e no País.”

A Universidade Presbiteriana Mackenzie, ocupante da segunda posição, e a Fundação Getulio Vargas (FGV), em terceiro lugar, também olham para o futuro amparadas em trajetórias consistentes. O Mackenzie afirma valorizar a tradição e, em especial, trabalhar o resgate da própria história. “Nosso bem mais precioso é a nossa marca, que representa 148 anos de qualidade de ensino”, afirma José Inácio Ramos, presidente da instituição. “Estamos ligados à história do Brasil. Introduzimos o basquete no País, realizamos o primeiro jogo oficial da Federação Paulista de Futebol. Além disso, bandeiras modernas, como a inclusão social, são promovidas pelo Mackenzie desde o seu nascimento, em 1870, quando os fundadores decidiram ensinar, sem diferenças, os filhos dos senhores e dos escravos. A estratégia é trabalhar marcas e valores que implantamos desde o início.”

Ao atribuir à presença no ambiente digital um marco importante em seu fortalecimento, a FGV tem obtido bons resultados. “Investimos fortemente em comunicação online”, conta Marcos Facó, diretor de comunicação e marketing da FGV. “É no online que nosso público se encontra, e tanto o estudante quanto o executivo consomem informação na plataforma móvel.” A estratégia, aliada a outras, rendeu frutos: em março de 2018, a FGV ultrapassou a universidade americana Harvard e tornou-se a instituição de ensino com mais seguidores no LinkedIn no mundo. Nada mal para uma empresa que vê a internacionalização como o principal desafio dos próximos anos. “Hoje, mais de 60 mil brasileiros fazem graduação no exterior”, diz Facó. “Nossas maiores concorrentes são as instituições estrangeiras, e isso é uma mudança significativa. Quando a concorrência passa a ser internacional, toda a estratégia tem de ser repensada.”

Em um cenário tão competitivo, fortalecer e destacar a marca é um desafio constante

continuar lendo